Preencha os campos abaixo para submeter seu pedido de música:

No comando: Made In Brazil

Das 13:00 as 14:00

gracenote_dynamic_eq_1
No comando: Live na Madruga

Das 00:00 as 06:00

esportes-png
No comando: Live Esportes

Das 16:00 as 17:00

09
No comando: Live News

Das 17:00 as 19:00

whatsapp-image-2017-06-30-at-12-37-47
No comando: Top 10 Live Rock

Das 18:00 as 19:00

arte
No comando: Palco Mundo

Das 19:00 as 21:00

No comando: Oficina do demo on the radio

Das 19:00 as 21:00

16832216_1726339357627025_1010577924885552784_n
No comando: Classic Live

Das 20:00 as 21:00

No comando: Nas Ondas do Rock

Das 20:00 as 22:00

Aos mestres com carinho: Ummagumma – The Brazilian Pink Floyd no Metropolitan

Compartilhe:
img_7678

 

Volta e meia me questiono sobre a reprodução de alguma peça artística. Onde está o valor real da obra? Somente em sua composição? Pode o artista que a reproduz com fidelidade ter um valor semelhante ao do compositor? Com essas “eternas” dúvidas na cabeça me dirigi na última sexta-feira (19) ao Metropolitan – que os novos donos querem que chamemos de “KM de Vantagens Hall” – para assistir ao show do Ummagumma – The Brazilian Pink Floyd.

Era a turnê “You Gotta Be Crazy Tour”, uma homenagem aos 40 anos do disco Animals (1977), o décimo registro de estúdio do Pink Floyd, e integrante da quadra incrível de álbuns lançados entre 1973 e 1979, que incluem também o Dark Side of the Moon (1973), Wish You We Here (1975) e termina com o The Wall (1979). O repertório conta com o Animals e o Dark Side of the Moon na íntegra, além de sucessos de outros discos.

As mesas distribuídas pelo salão do Metropolitan (!!!) deram o ar certeiro ao nível de contemplação exigida pelo show. Os incautos, os desconhecedores da obra original do Pink Floyd poderiam argumentar que ficar sentado não condiz com um show de rock. O ledo engano é perdoado quando a banda sobe ao palco e os primeiros acordes de “Pigs on the Wing (Part I)” começam a soar pela casa. Silêncio total cortado ocasionalmente por algumas palmas que escapam, mas logo são abafadas por se darem conta de que ali começou um espetáculo contemplativo, uma viagem no tempo, uma oportunidade de ouro para os fãs. Não se trata de uma imposição de silêncio. É um respeito tal pela obra, que faz a hipnose ser quase que imediata. Assim não é preciso dizer que os 40 minutos do disco passaram voando.

Após o Animals, a banda chamou uma convidada especial para o palco: a filha do vocalista Bruno Morais que, do alto de seus três anos de idade, cantou “Another Brick in the Wall Pt II” com o pai e embasbacou a platéia inteira, que parecia ter esquecido o poder da música de atravessar gerações. O show seguiu e a banda trouxe ao palco a convidada especial da noite, ninguém menos que Lorelei McBroom, backing vocal do álbum Momentary Lapse of Reason (1987) e da turnê de Delicate Sound of Thunder (1988). Foram executados então clássicos da banda como o sempre emocionante tributo a Syd Barret, “Shine on you Crazy Diamonds (PT I-V)”, além de “Have a Cigar” e “Echoes” que trouxeram de volta aquela sensação hipnótica, preparando terreno para o que, para mim, seria a cereja do bolo.

Uma das lembranças mais fortes que tenho de meu pai é, sem dúvidas, os domingos de manhã em que ele colocava o Dark Side of The Moon para tocar, e com o encarte na mão – para acompanhar a letra – cantava “Time”. Cresci ouvindo esse disco por inúmeras razões, que vão desde a memória afetiva até o embasamento que achei que o mesmo me traria (e de fato trouxe) em música, primeiro no violão e posteriormente no contrabaixo. É o meu disco preferido. O meu subconsciente me manda dizer que é o disco mais absurdo já feito pela raça humana, mas a racionalidade me faz admitir que “isso é uma questão de gosto”. Mas quando começou a dobradinha de “Speak to Me” e “Breathe”, meu lado racional cedeu à emoção e pude enfim falar para quem assistia ao show comigo: “esse é o disco mais absurdo já feito pela raça humana”.

Após a execução primorosa de “Time”, foi a vez de “The Great Gig in the Sky”, em que a backing vocal Isabela Morais dividiu magistralmente os vocais com Lorelei McBroom, criando uma atmosfera incrível de imersão, que acompanharia a banda até o fim do show. O encerramento do Dark Side com ”Brain Damage” e “Eclipse” parecia dar contornos finais às duas horas de show, o que seria justo e bastante confortável para a banda. Mas ainda houve tempo para eles nos presentearem com “Wish You We Here” e o encerramento cantando a plenos pulmões de “Confortably Numb”. No fim, como era de se esperar, aplausos de pé de todo um Metropolitan (!!!) certo de que viveu uma experiência incrível, uma reprodução muito digna dos hinos compostos pela banda.

A pergunta feita no início do texto seguiu ecoando em minha mente. Pode o artista que reproduz uma obra com fidelidade ter um valor semelhante ao do compositor? Durante pouco mais de duas horas o Ummagumma mostrou que sim! Que se faça saber ao resto do mundo: o legado do Pink Floyd no Brasil está em ótimas mãos.

A BANDA

Bruno Morais – vocais, guitarra, lap steel e violão
Eduardo Botrel – guitarra, violão e lap steel
Marcos Alexandre – baixo e vocais

Felipe Batiston – teclado, violão e vocais

Felipe Duarte – guitarra
Renata Garcia Diniz – teclados
Stéfanny Rezende – teclados
Otávio Peixe – bateria
Alesandro Brito – percussão
Isabela Morais – backing vocal
Maria Isabel – backing vocal
Helen Mariah – backing vocal
Elisangela Theophilo – backing vocal
Oswaldo Duarte – sax

PARTICIPAÇÃO ESPECIAL

Lorelai McBroom – vocais

 

img_7456

 

img_7488

 

img_7518

 

img_7536

 

img_7553

 

img_7571

 

img_7580

 

img_7592

 

img_7597

 

img_7615

 

img_7657

 

img_7666

 

 

Por: Fabrício Teixeira
Fotos: Gabrielle Pereira

 

Deixe seu comentário: